Arquivo de etiquetas: Amor

Natal do presépio.

20131218-095750.jpg

O Natal é mais que um tempo de confraternização e troca de presentes. E muito mais do que papai Noel. Aliás, esta figura criada sobre o testemunho de São Nicolau, o verdadeiro “bom velhinho” que distribuía às famílias pobres nas noites congeladas de natal bem mais que “presentes”, mas alimento, se tornou um dos inimigos da espiritualidade do Natal.

Sem presépio não tem natal de verdade. Toda família cristã deveria ter um presépio em casa antes de qualquer outro símbolo. Pois nada traduz melhor esta maravilhosa notícia para a humanidade.

Nasceu um menino em Belém, o Salvador, não só dos cristãos mas de todas as pessoas !

Dar presentes para o cristão é mais do que bajulação, vaidade ou mesmo a ‘caridade’, porque sem considerar que Jesus habita no coração, na essência de cada pessoa, o caridade é simplesmente assistencialismo.

Então o que é presentear alguém no natal para o Cristão?

É presentear a pessoa vendo além do que ela é por fora ou do que possuí em bens, de sua religião ou outras preferências. É ter a consciência de que ali está a imagem e semelhança de Deus, e este mesmo Deus, no Natal, se fez um de nós, porque nos ama, com amor de predileção.

Se os reis magos do Oriente viajaram de tão longe para ver o salvador que havia nascido e lhe trouxeram presentes, nós, que o conhecemos e fomos resgatados por seu amor, o que não faremos neste dia especial?

O presépio é a simplicidade um rei. Rei do universo que não tinha lugar para nascer, não tinha ceia, mas celeiro, não tinha uma cama mas palhas de um estábulo.

Por isso, não se preocupe com a simplicidade de sua ceia de natal porque para Jesus faltava tudo mas não faltava o essencial que é o amor de sua família e de Seu Pai do céu.

Os maiores e melhores presentes de natal sempre são os mesmos: união e unidade, amor e carinho, perdão e reconciliação, alegria e simpatia, acolhimento e simplicidade…

Nenhum deles se compra, mas todo mundo quer, todo mundo precisa. Imagine um Natal sem eles!? Imagine o malhor presente que se possa comprar sem eles!?

Mas uma coisa é impossível de imaginar: o presépio sem Natal e um Natal sem presépio.

Feliz Natal!

Anúncios

Recém casados Recém brigados

divorce

Muitos casamentos vão por água abaixo no primeiro ano de coabitação por causa das brigas entre marido e mulher…

No ditado popular se diz:  “Em briga de marido e mulher ninguém mete a colher!

Não quero meter a colher, mas ajudar a prevenir!

Sou recém casado, quase 8 meses, e esses dias conversando com minha esposa ela falava de um programa de TV que traz casos freqüentes de recém casados, recém brigados.  Nas cenas, reinam a gritaria, os palavrões e as agressões! E quando os protagonistas dizem “Eu não te amo mais!”, decepcionados com o outro e consigo mesmos, eu penso que o problema é ainda mais grave… “Talvez jamais tenham amado!”

(!) Não se espante!

É possível namorar muitos anos, noivar a casar, e até permanecer casado muitos anos sem amar verdadeiramente. Porque? Porque o amor não é uma receita com poucos ingredientes…

Porque há valores indispensáveis, componentes do amor genuíno, verdadeiro, que tem sido esquecidos… Embora a massa do relacionamento seja misturada e levada ao forno; embora se possa ver que é uma massa de relacionamento à dois, e se tenha tabuleiro e até mesmo um bom forno, se faltar algum ingrediente o “bolo” do amor pode até sair, mas não será o que se esperava.

Quero lembrar de um “ingrediente” muito importante sem o qual o amor não nasce, não existe!

oriente-desconhecido-outracoisa-7

O conhecimento!

Podemos viver ao lado de pessoas por anos e anos sem as conhecer, sem saber quem elas são, sem conhecer seus sonhos… Infelizmente essas pessoas podem ser muito próximas a nós, podem ter o mesmo sangue que nós, podem ser irmãos, pais… Infelizmente.

No relacionamento amoroso, também!

E hoje em dia, muito mais. Buscar valores como: paciência, educação, responsabilidade, sensibilidade, ser trabalhador, higiene, simpatia, são apenas o início para uma boa escolha de companheiro (a) para toda a vida, para uma nova família.

Pena que a maioria das pessoas só se lembra dessas coisas básicas tarde demais!

Pena que os valores como beleza física, renda mensal, disposição para festas, modo de se vestir, acabam por superar e muitas vezes submergir àqueles no dia a dia dos relacionamentos… A decepção virá logo que o fervor dos hormônios  se abaixarem.

Mesmo os valores mais nobres ainda não correspondem  a um conhecimento suficiente para se decidir por casar-se com alguém.

É preciso conhecer além disso, é preciso montar no quebra cabeças da vida dos dois, o conjunto dessas coisas em ação numa pessoa que mudará, que amadurecerá, que hoje tem uma visão de mundo e amanhã terá outra, que hoje não compreende certas realidades e que amanhã, talvez permaneça sem compreender e sem aceitar…

O diálogo e a observação são imperativos neste processo.

Se o casal de namorados gasta a maior parte do seu tempo com o lazer, o indispensável processo de conhecimento pode estar sendo comprometido… Sobretudo porque os ambientes mais procurados para o lazer á dois são os que menos proporcionam conhecimento verdadeiro.

Mesmo aqueles que não guardam a castidade (por não conhecerem ou por não aceitarem), não conhecem verdadeiramente a sexualidade genuína do outro.  (leia depois a matéria sobre camisinha, na página “aos namorados”). E por que? Porque não é só fazer sexo muitas vezes que nos faz conhecer a sexualidade do outro, não é só ser carinhoso (a), não é só fazer deste ou daquele jeito… Qualquer prostituta (o), pode fazer melhor que você! Não está no fazer, não está no como fazer, não está na quantidade de prazer, está na além , muito além disso…

Para conhecer é preciso gastar tempo… Para ler um artigo como esse por exemplo!

Para ouvir o outro, para ler, na vida do outro sua essência. Só se ama o que se conhece.

Se as brigas devoram os primeiros dias e meses de casamento, pode ser que ao morar junto, você tenha se dado conta de que ele, ela, não era assim quando vocês namoravam… Não mesmo?

Ou será que no fundo no fundo seu amor era desconhecido?

Lua de mel 239

Pense nisso.

Se você é casado e enfrenta isso, há um longo trabalho pela frente, não desista! Não entregue os pontos, procure ajuda!

Se você ainda não casou, busque, privilegie o conhecimento do outro. É ele quem abre as portas para o amor verdadeiro.

Fique com Deus.

Se quiser conversar à respeito: jarles@geracaophn.com

Jarles, Canção Nova.

Lua de mel 381

Eternos Namorados!

Minha esposa Maria Rosangela
Minha esposa Maria Rosangela

Conheci minha eterna namorada em 2002, em Cachoeira Paulista – São Paulo.

Ela não saiu mais do meu pensamento…

A cada viagem que eu fazia para Cahoeira Paulista neste ano de 2002, eu me aproximava mais.

Em 2003 ela veio morar em Cuiabá, eu descobri que realmente a queria a amava, e ela também.

Ficamos 2 anos e 2 meses longe depois disso e entre caminho de namoro, namoro e noivado se somaram 5 anos até nos casarmos em 22 de Novembro de 2008.

Somos muito felizes e realizados Juntos!

Maria Rosangela, eu amo você!

Seu eterno namorado, Jarles.

Lua de mel 092r

Quer homenagiar sua amada ou amado? Manda um e-mail com seu pequeno texto e foto que eu posto no blog e vai ficar durante o mês inteiro!!

O que está esperando??

Jarles@geracaophn.com